Taylor Swift vs. Lana Del Rey

19/08/2015 0 Maçãs
Gosto de pensar que, quando critico, sei do que estou a falar. Evidentemente, seria presunçoso da minha parte pensar que detenho a verdade absoluta e que todas as palavras que saem da minha boca (ou das minhas mãos, no que toca ao registo escrito) são lei - e não, não é assim que penso. Contudo, e por mais certo que seja que gostos não se discutem, há certos comentários que merecem a existência de um fundamento por detrás deles.

Atenção: O parágrafo que se segue constitui um mero exemplo hipotético e não deve ser considerado para efeitos de julgamento da opinião do seu autor (aka eu).

Eu posso dizer que a música pop de hoje em dia (leia-se, de 2010 em diante) quase nem merece a denominação de "música" - para ser logo atacada por todas as frentes, quando na verdade posso fazer tal afirmação baseando-me na evolução da música erudita e, seguindo esta linha de pensamento, a "música" atual trata-se de um retrocesso, contrariamente ao que seria esperado.

...

Voltando ao tópico inicial, eu estava a falar da questão das críticas e do "saber" o que se está a criticar. Foi por essa mesma razão que, aqui há uns meses atrás, dei por mim a ouvir o novo álbum da Taylor Swift, ainda que não seja uma das minhas habituais escolhas musicais. O curioso foi que, efetivamente, uma das faixas ("Wildest Dreams" - infelizmente não está disponível online devido aos direitos de autor) me fez lembrar uma daquelas músicas que de vez em quando ouvimos quando passa na rádio - neste caso, uma música da Lana Del Rey ("Young and Beautiful" - bom, para ser sincera, não necessariamente esta, porque acho que todas elas acabam por ter uma sonoridade bastante semelhante... contudo, esta é a música referida no artigo de que vou falar já a seguir, ehehehe). Quando pesquisei sobre a questão online, encontrei uma opinião (que defendia a não existência de plágio) fundamentada sobre o assunto. O fundamento? Uma das razões para as músicas serem tão semelhantes seria a "utilização de cordas friccionadas", que não é muito comum na música pop.

"But as far as I know, Del Rey hasn’t copyrighted the use of strings in pop music, which is, in my opinion, what gives these two particular songs their sweeping sound." [link]

E foi ao ler isto que, de repente, dei comigo a pensar: quais cordas? Como é que eu, que reparo logo neste tipo de coisas, não me apercebi de cordas nenhumas? Lá fui ouvir a música... apenas para descobrir que se tratavam de uns sintetizadores quaisquer a imitar cordas...  (isto ou cordas muuuuito, muuuuuito alteradas em estúdio, bem entendido...)

Enfim!

0 Maçãs:

Enviar um comentário

Olá! Obrigada pelo teu comentário no Pomarão. :)