Ora então, um brinde aos próximos 366 dias

31/12/2015 2 Maçãs

Olhando para trás, tenho de admitir que este foi um bom ano para mim. Teve os seus momentos difíceis, os seus dias mais chatinhos em que nem me apetecia sair da cama - mas, ao fim e ao cabo, também foi um ano decisivo para o meu futuro e, nesse sentido, tudo o que eu desejava que me acontecesse... aconteceu.

Espero que tenham tido um bom Natal, junto dos vossos, e que este novo ano nos traga momentos felizes para recordarmos daqui a 366 dias.

Até 2016!

Rey (y sus muchachos)

18/12/2015 0 Maçãs

É verdade: nem toda a gente gosta de ficção científica. Há quem nunca tenha pegado num livro do Jules Verne, não tenha visto um único episódio de X-Files, e... nunca se tenha deixado encantar pelo universo de Star Wars. E isto espanta-me ainda mais quando se tratam de pessoas da minha geração - a mesmíssima geração do Harry Potter, minha gente!

Confesso que há "mundos" mais difíceis de seguir do que outros. Doctor Who e Star Trek são exemplos de séries que já por aqui andavam muito antes de eu ter nascido, daí que esteja muito mais familiarizada com as temporadas e episódios mais recentes (ou até mesmo filmes, nalguns casos). Se conheço todos os pormenores e mais alguns, se já li tudo quanto era fanfiction e bandas desenhadas... não, que o tempo não dá para tudo!

Amanhã falamos sobre a Força

17/12/2015 0 Maçãs
Hoje ainda estou demasiado emocionada com o filme e com as novas revelações para conseguir escrever alguma coisa de jeito! Só aquele genérico inicial... ai, que saudades!

Se puderem, vejam. Recomendo.

Get up, get up, get up

15/12/2015 0 Maçãs
Get Up, Caitlin Canty [link]

(...) Took a long way to come here
Got a long way to go (...)

Enquanto uns pensam em oferecer prendas aos outros

13/12/2015 0 Maçãs

eu penso nas prendas que posso oferecer a mim própria depois deste trimestre de estudo intensivo. Desde umas pantufinhas da Serra da Estrela em promoção na feira de stocks aqui da terra (até parece mal viver na Covilhã e usar nos pés uma imitação comprada na feira de Leiria e que não tem nada a ver em termos de conforto) ao papelucho que acabei de me ofertar: um bilhete de cinema para a pré-estreia do novo filme do Star Wars ou, na nossa língua mãe, da Guerra das Estrelas!

É caso para dizer que, depois deste esgotamento dos meus ricos neurónios nos últimos dias, sabe bem (ir) assistir ao Despertar da Força!

Falando em neve

23/11/2015 0 Maçãs
Banda sonora da noite:


Só porque sim, porque há ali uma notinha que me lembra neve e neve sempre será para mim! Para ouvir em repeat já que um minuto e quarenta e sete segundos não dão para nada. Apenas um cheirinho de uma banda sonora que há muito me anda no ouvido (do filme "Like Crazy", composta por Dustin O'Halloran)...

Para o caso de ainda não terem ficado convencidos:


Fragile N.4, Dustin O'Halloran [link]

Cai neve na serra (o José Cid enganou-se)

0 Maçãs
Hoje vi, pela primeira vez desde que vim estudar para a Covilhã, neve na Serra da Estrela. Ainda não se vê da janela do meu quarto, mas espero ansiosamente pelo dia em que tal aconteça. Consta que tal dia há de chegar, eventualmente, a ver pelas temperaturas que se estão já a fazer sentir e ainda nem no inverno estamos.

Estar aqui tem sido uma experiência de todo o tamanho. A partir do momento em que encontrei o meu quartinho, que pisei o chão da faculdade enquanto aluna, que encontrei pessoas com os mesmos interesses que eu e com as quais me identifiquei... senti-me realizada.

Três meses que passaram a correr (quem me dera ter mais tempo para estudar!), cheios de experiências novas e desafios a cada instante, a vida universitária num relance apenas. E nos momentos mais solitários, ou até mesmo mais desesperados, tudo o que preciso de fazer é levantar a persiana, afastar as cortinas e olhar a serra. Olhar e pensar: consegui, estou aqui.

Agora é aproveitar.

Tuesday night

13/10/2015 0 Maçãs


Strike the viol, Christina Pluhar (composição original de Henry Purcell) [link]

Está encontrada a banda sonora desta noite. Regressemos, então, ao estudo da membrana plasmática.

Mal menor

04/10/2015 0 Maçãs
[link]
[link]
Aqui entre nós, pelo menos ganhou o Sporting.

Hoje é um daqueles dias

0 Maçãs

A maioria dos adolescentes anseia pelos dezoito anos para poder tirar a carta de condução, para poder beber ou para deixar de ter encarregado de educação. Mas ter dezoito é mais do que ser "adulto" no papel - e consta que alguém batalhou muito no passado para hoje todos termos direito ao voto.

Como se costuma dizer, há sempre uma primeira vez para tudo. Hoje foi a minha. 

Murro no estômago

03/10/2015 0 Maçãs
Custa, mas não há como aceitar.

Ontem levei um murro no estômago. Já sabia que o ia levar, mas... enfim, levei com ele na mesma. Não havia hipótese de me proteger, a decisão estava há muito tomada e, por vezes, somos confrontados com escolhas que, embora muito claras, nos deixam sempre com um sentimentozinho de arrependimento e de dúvida.

É como vos digo: há que aceitar. Não se pode ter tudo... 

Sábado, 5 de setembro de 2015, 20h20

11/09/2015 0 Maçãs

Um verão inteiro à espera. Daquele, da-que-le momento. O momento em que finalmente senti que todo o estudo realizado durante o secundário, todas as decisões tomadas nos últimos três anos, todos os sacrifícios feitos, tudo - tudo tinha valido a pena.

Entrei no curso que queria. Entrei na universidade que queria. Vou estudar para a cidade que queria. Não consigo expressar a felicidade que me tomou de surpresa naquele momento. Num instante, toda a angústia dos últimos meses se desvaneceu, partiu, deixando-me livre, a sonhar com os tempos futuros.

É oficial. Juntei-me à comunidade ubiana na segunda-feira, quando me fui matricular, e sou caloira de Medicina. Sonho realizado, agora "resta-me" percorrer o longo caminho que ainda tenho pela frente.

Calendário Escolar 2015-2016

04/09/2015 2 Maçãs

ATENÇÃO: No que toca às datas de início e de final de ano e aos feriados, cada um deve verificar por si próprio se a informação se encontra correta. Este calendário foi criado para uso pessoal (relembro que foi adaptado por mim a partir de versões dos anos anteriores), logo, algumas das informações lá contidas podem não estar de acordo com a vossa escola ou com o vosso ano de escolaridade.

Tudo para o lixo

02/09/2015 0 Maçãs

Até os vintes. Eh lá, isto dito assim até parece que foram muitos os que recebi durante todo o secundário. 

Taylor Swift vs. Lana Del Rey

19/08/2015 0 Maçãs
Gosto de pensar que, quando critico, sei do que estou a falar. Evidentemente, seria presunçoso da minha parte pensar que detenho a verdade absoluta e que todas as palavras que saem da minha boca (ou das minhas mãos, no que toca ao registo escrito) são lei - e não, não é assim que penso. Contudo, e por mais certo que seja que gostos não se discutem, há certos comentários que merecem a existência de um fundamento por detrás deles.

Como se costuma dizer, à terceira...

06/08/2015 0 Maçãs

... é de vez!

Candidatura ao Ensino Superior submetida (pela terceira vez), ehehehe. 

Há uma chance...

04/08/2015 2 Maçãs
não tão remota assim (já sabem que estas candidaturas ao ensino superior têm mais que se lhe diga...), de ir estudar para o interior. A minha grande dúvida neste momento é se devo privilegiar esta opção em detrimento de outras cidades/universidades no litoral.

Muito simplesmente: Covilhã ou Lisboa? 

Agora sim, FEUP!

26/07/2015 2 Maçãs

Depois de ter deixado uma pequenina dica no final deste post e de ter visitado o Instituto Superior Técnico (IST), a verdade é que recebi um convite muito aliciante da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) para visitar a faculdade e esclarecer todas as minhas eventuais dúvidas em relação aos cursos lá ministrados. Ora, com tão gentil disponibilidade, a verdade é que não consegui resistir e lá fui de comboio, juntamente com mais duas amigas, até ao Porto, nesta quarta-feira.

Toda a visita foi marcada e combinada com uma eficácia e rapidez estonteantes, sendo que apenas informámos a faculdade dos cursos que mais nos interessavam e de tudo o resto tratou a organização. É como vos digo, só tivemos de conseguir chegar ao Porto!

Momento hipnótico

09/07/2015 0 Maçãs
Violin Phase, Steve Reich

Quinze minutos das vossas vidas que nunca vão receber de volta. Quinze minutos de música, de história, de arte, de génio, de conhecimento, de emoção, de reflexão, de descanso, de entretenimento, de abstração, de contemplação, de realização, de sabedoria, de introspeção.

Quinze minutos de Reich.

Hum... já agora, quantas pessoas acham que conseguirão ouvir estes quinze minutos?

EVMEC 2015

08/07/2015 0 Maçãs

Por muito que eu até aprecie ver o meu próprio blogue parado no tempo a 21 de junho (ehehehe, melhor dia do ano), não me parece bem deixar alguns assuntos em suspenso - o que dirá o meu "eu" futuro desta minha preguiça ao nível da escrita? 

Ora bem, vamos ao que interessa: estou, finalmente, de férias. Contudo, os panfletos das universidades acumulam-se em cima da minha secretária, mesmo aqui juntinho ao computador... todos os dias, aqui sossegadinhos, a fazerem-me olhinhos, estes marotos... e, por isso mesmo, resolvi tomar iniciativa, enfiar-me num autocarro e partir à descoberta de Lisboa. 

(verão!)

21/06/2015 0 Maçãs
Google, 21 de junho de 2015 - 1º dia de verão

É oficial: chegou o verão! E com ele estas temperaturas de dar em maluco e derreter (como os fofinhos gelados do doodle da Google), o que não vem nada a calhar tendo em conta que agradecia que os meus apontamentos se mantivessem sequinhos, ehehehe.

Ora então, dezoito aninhos já lá vão. Eu sei que há muitos vinte-e-uns-de-junho, mas consta que a partir de hoje já posso ir para a prisão, votar e... deixar de ter encarregado de educação! Iuuuuupi! Agora vamos ver o que o futuro me trará... hummmmmm... a começar pelo exame de Matemática A desta terça-feira, snif, snif!

"Foi fácil!"

16/06/2015 0 Maçãs
... diz sempre alguém à saída de um teste, ou de um exame, ou de uma avaliação, ou seja lá de que for. Esquecemo-nos de que às vezes é um em trinta e dizemos logo que foi o teste, ou o exame, ou a avaliação mais fácil dos últimos anos. Sempre, sempre, sempre.

Sempre, porque para todos aqueles que não fizeram o tal teste, ou o tal exame, ou a tal avaliação, tudo foi fácil. O que os outros fizeram - fácil! Basta terem sido os outros a fazer para já ser fácil. Uma situação difícil pela qual alguém tenha passado? Só foi difícil para ela, claro!

Amanhã tenho exame de Português.

Amanhã vamos ver o que é fácil.

(vá, agora indiquem a intencionalidade das minhas repetições, do paralelismo das construções frásicas e das anáforas)

Rega ou molha?

30/05/2015 0 Maçãs

Com tanta tecnologia que para aí anda, querem-me fazer acreditar que ainda não arranjaram maneira de aqueles dispositivozinhos malévolos de rega automática apenas regarem a relva e não tudo o que lhes apareça pela frente ou por trás ou pelos lados num raio de 3 metros? É que uma pessoa vai a atravessar a passadeira e já levou uma molha de todo o tamanho...

Soul-searching

04/05/2015 2 Maçãs
A um mês e um dia de terminarem as aulas, aqui estou. E quando devia estar ainda mais motivada por já faltar tão pouco para fazer os exames e me despedir do secundário de uma vez por todas... não, aqui estou, a acusar já a pressão que eu própria tenho vindo a colocar em cima dos meus ombros desde que o ano começou.

Estes últimos meses têm sido bastante reveladores. Tenho participado noutro tipo de atividades, fora da minha zona de conforto, numa tentativa de perceber melhor aquilo que me agrada. Tivesse eu mais facilidade ou mais gosto numa determinada área, e sentir-me-ia certamente menos dividida. Agora assim... custa-me arranjar motivação, é o que é.

Basicamente, vou terminar o secundário com uma boa média. E digo "vou" porque já não há muito por onde mexer; mais décima, menos décima, não será um fator determinante de entrada na maioria dos cursos. Agora vem a parte engraçada: a minha média de acesso ao ensino superior vai depender, isso sim, do exame de Matemática A, uma vez que os exames de FQA e de BGL já os fiz no 11º ano e, em principio, não irei utilizar o exame de Português como prova de acesso.

E estou nisto, minha gente. Matemática para aqui, Matemática para ali, e a verdade é que já devia estar a estudar mil e quinhentas horas por dia para o exame e ainda ando aqui de volta dos limites, das derivadas e da trigonometria. Revisões? Quais revisões? Ai sai matéria dos três anos? Ai tenho os exercícios todos dos seis manuais para fazer? E tempo? E pachorra?

Dou por mim a adiar a escolha dos cursos aos quais me candidatarei para depois dos exames; logo de seguida, reparo que ao fazer isto ainda fico mais desmotivada, pois deixo de ter um verdadeiro objetivo para esta reta final. Fica a questão: escolher para ganhar motivação, ou adiar para ser realista?

Aqui estou, perdida num mar, não, oceano! de possibilidades.

P.S. A Adriana é linda! Diz ela... ;)

Para mim, viver em Leiria é... #2

15/04/2015 1 Maçã
... ouvir conversações semelhantes à que se segue entre jovens adolescentes:
Jovem X engana-se e diz que sente uma dor no "estôgamo". Vira-se o jovem Y para o Z e pergunta:
- Ó Z, a tua irmã mais nova não diz "estôgamo" em vez de "estômago"?
- Não, diz barriga.
Qualquer semelhança com factos reais é pura coincidência. Esta juventude leiriense sai-se com cada uma... ;)

O impacto das palavras

12/04/2015 2 Maçãs

Eh pá, isto está difícil... começo a escrever posts, penso "hummmm, é melhor não publicar isto" e apago tudo. Acho que era muito mais fácil quando não pensava no que as outras pessoas poderiam pensar ao ler certas coisas - agora tenho muito mais consciência do impacto que as palavras podem ter. Se já na vida real digo algo com uma intenção e distorcem tudo para parecer que disse outra coisa, quanto mais quando as palavras são escritas, e não entoadas; além de que, como já sabemos, tudo o que surge na Internet, na Internet permanece.

Mas não consigo deixar de relatar uma destas situações caricatas...

Zebra

23/03/2015 2 Maçãs
Aqui há uns dias, a minha professora de violino perguntou-me se estava a pensar vender o meu instrumento no final do ano.

A pergunta surpreendeu-me de tal forma que fiquei meia embasbacada durante alguns segundos até compreender bem a questão. Tudo em que conseguia pensar era "por que razão é que eu haveria de querer vender o meu violino?". E, naquele momento, atingiu-me.

Claro, daqui a três meses vou terminar o curso. Não vou continuar a ter aulas, todas as semanas, como tenho tido desde que entrei para a escola. Mas daí até vender...

O meu violino é o meu bem mais precioso e valioso, a todos os níveis. Não preciso de dizer o quão importante é para mim - e se mais tempo não dedico ao estudo, é simplesmente porque não consigo dar o meu máximo neste ponto, uma vez que desde há três anos atrás que tomei a decisão de dar prioridade absoluta à escola. Absoluta, no sentido em que farei tudo o que estiver ao meu alcance para melhorar o meu aproveitamento escolar. Contudo, absoluta também no sentido rigoroso da definição que acabei de dar; se a escola se sobrepuser à música em aspetos que não interfiram com as notas (como visitas de estudo em dias de concerto, etc. - e, sim, já aconteceu), não hesitarei em escolher a música como prioridade nesse momento.

Confesso que é difícil imaginar-me com uma rotina que não envolva a música. Todas as semanas, durante doze anos, lá fui eu para a minha segunda casa aprender a solfejar, a cantar afinadinha (na medida do possível, evidentemente), a tocar numa orquestra, a conviver com pessoas de muitos backgrounds diferentes e a explorar e a moldar também, de certa forma, a minha própria personalidade e a minha forma de ver o mundo.

...

Não vou vender o meu violino. Como poderia? - quando é parte de mim...

E após muitos meses de espera, já cá canta!

06/03/2015 0 Maçãs

... a banda sonora de Outlander e, literalmente (a cantar aqui nos meus auscultadores, ehehehe), a senhora Raya Yarbrough, que dá voz ao tema da série:

The Skye Boat Song (Outlander), Bear McCreary com Raya Yarbrough [link]

Nada mau, hem? Até já ouvi alguém a tocar isto no Orfeão, logo depois de essa mesma pessoa ter tocado uma daquelas músicas que estão sempre a dar no Canal Panda - bom, não se pode ter tudo, não é?

P.S. Até agora, a minha preferida é mesmo a faixa 03 (acho que revi e revi a cena em que aparece só para a poder ouvir)...

O que NÃO dizer a um grupo de músicos...

22/02/2015 2 Maçãs
... quando um deles (uma professora com n anos de educação musical, nem mais nem menos) pede uma água num café e a água não há meio de chegar até à mesa:
- Ai, desculpem, é que estava ali aquele cantor muito conhecido que ganhou os Ídolos e eu gosto muito de o ouvir cantar, não, a sério, gosto mesmo muito de o ouvir, e não resisti a ir tirar uma foto com ele e a pedir-lhe um autógrafo, que emoção, que felicidade, nem acredito que ele esteve aqui no café [...]
 - Aaaahhh, que engraçado... então, e como é que se chamava o cantor?
 - Não sei, não sei, sou péssima com nomes, se me perguntarem o nome da minha mãe também não me lembro...
Surreal, meus caros, surreal! E a parte mais engraçada é que nenhum de nós se apercebeu da presença do tal "cantor famoso" (ahahaha, eu nem televisão tenho, sei lá quem é que ganhou os Ídolos!)... anda uma pessoa a estudar anos e anos de música para isto...

Devia ser proibida a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 anos?

17/02/2015 0 Maçãs
Retirado deste artigo do Público [link]
Adoro os argumentos para o "não" neste inquérito. Parece que, efetivamente, no que toca a educar adolescentes, a lição que os adultos retiram é de que se aplica a regra do inverso: hoje NÃO vais à festa = adolescente vai à escola; hoje NÃO podes ir para o computador = adolescente vai para o computador; etc, etc e tal. E seria tudo muito lindo se isto fosse verdade.

Mas não é. E aí é que está o problema. Honestamente, acho que só bebe quem quer. Agora chegarmos ao ponto de legalizarmos algo que, à partida, é prejudicial para a saúde, só porque queremos diminuir o seu consumo... (pfff, vou ali e já volto!)

Cada qual sabe de si.

Links úteis:

Para mim, viver em Leiria é... #1

01/02/2015 0 Maçãs
... ir atuar a um concerto e dar de caras com o David Fonseca nos bastidores. Ahhhhh, pooooois!

Viajantes

28/01/2015 0 Maçãs

Isto de estudar Fernando Pessoa tem das suas vantagens. Quem diz Fernando Pessoa, diz Alberto Cairo, diz Ricardo Reis, diz Álvaro de Campos, e acho que me fico por aqui porque mais não se estuda no 12º ano.

Faz-nos questionar, não faz? Até os poemas do Caeiro, que tão firmemente afirma que se recusa a pensar (antimetafísica e objetivismo é que é bom, e a Natureza é Deus), me levam à interrogação e à dúvida.

Escusado será dizer que estou a adorar; posso não perceber nada à primeira, mas ouvir a explicação da professora e tentar compreender (lá estou eu outra vez a usar o pensamento e a razão!) todos aqueles poemas escritos por pessoas tão diferentes... acho que precisei de chegar ao último ano do secundário para me voltar a sentir entusiasmada com Português. Não necessariamente entusiasmada para estudar, que isso é coisa rara e, habitualmente, exclusiva das disciplinas de ciências naturais e exatas (além disso, tive teste hoje, por isso, estudar é a última coisa que me está a apetecer fazer neste momento), todavia, as cinco (cinco? - credo, já nem me lembrava que eram tantas) horas letivas semanais que tenho todas as semanas já custam menos a passar (aqui entre nós, já nem olho tantas vezes para o relógio...).

Ora então, onde é que eu ia com esta conversa toda? Ah, sim, Pessoa. E Caeiro. E Reis. E Campos (se bem que correto, correto, era referirmo-nos a estas entidades pelo nome e apelido, que não as conhecemos de lado nenhum e são todas muito mais importantes hoje do que nós alguma vez iremos ser). O que eu queria mesmo dizer é que todas estas perspetivas diferentes me fazem pensar, todos os dias, nalguma maluquice diferente. Esta é a de hoje...

Dois anos (e parece que foi ontem) :(

18/01/2015 0 Maçãs
"At the risk of sounding sentimental, I´ve always thougth there are people who leave an indelible mark on your soul. An imprint that can never be erased." - Agent Philyp Broyles

Ano novo, (quase) vida nova (?)

07/01/2015 0 Maçãs

Ora então, já era altura de o Pomarão também entrar em 2015. E pronto, cá estamos. Mais um ano, mais uma corrida, mais uma viagem (fim de semana para ganhar coragem!).

Como alguém disse, e muito bem, 2000 já está tão longe quanto 2030. Passa a ser obrigatório o uso do novo acordo ortográfico nos exames nacionais. Parece que vai ser ano de eleições.Vamos a meio da segunda década do século XXI. Tirando isso (e um ou outro facto importante que me possa ter escapado), 2015 é um ano como todos os outros.

Isto é o que tenho dito a mim mesma para conseguir adormecer à noite (isso e "vai ser um bom ano", "vai correr tudo bem", "não há de ser nada", etc. - se por acaso tiverem mais dicas, partilhem!).

Todos os anos são importantes. Mas este é particularmente importante para mim, tendo em conta que, se tudo correr como planeado, a partir de setembro estarei noutra cidade, a estudar na universidade e no curso da minha preferência.

Até lá, só espero que 2015 me dê o discernimento necessário para tomar a decisão correta.

Pensando bem, contento-me com "tomar uma decisão".