E plágio de cereais, não?

30/11/2014 0 Maçãs

Sendo estudante, ouço falar em plágio todos os dias. Ou alguém foi copiar uma apreciação crítica de um livro à internet para usar numa apresentação oral, ou alguém transcreveu tintim por tintim (ou ipsis verbis, como diz a minha professora de Português) o resumo de um livro.

(já para não falar no plágio na música, uma vez que essa questão dava matéria para escrever um livro!)

Assim sendo, alguém me pode explicar como é que é possível que tantas marcas, brancas/escuras/prateadas/de todas as cores e feitios, possam ter produtos iguaizinhos?

Falemos dos cereais. Não me digam que a composição é diferente, porque mais grama de açúcar, menos grama de açúcar, há pelo menos uma cópia nítida da apresentação...

E esta, hã? Trata-se de uma questão comercial/económica/financeira sobre a qual eu não sei absolutamente nada... ou há, efetivamente, plágio de cereais? 

Jogos de água, como diria o Ravel!

16/11/2014 0 Maçãs

Estou aqui, estou aqui! E ainda não parei, de tal forma que entre livros, estudos, composições, e photoshopadas (para a escola, claro!), só tenho tido tempo para me dedicar a um dos meus hobbies: ouuuuuuuvir música!

O que me vale é que, de vez em quando, lá vão caindo umas pinguitas de água, para me ajudarem no meu estudo... sabe tão bem ouvir a chuva lá fora!

Jeux d'eau, Maurice Ravel [link]

E agora deixem-me só continuar a escrever o meu plano para a apresentação oral de Português... (sim, ainda nem esse terminei e é já esta semana!)