Carro novo ;)

25/10/2014 0 Maçãs

Parecia um sonho. Ainda hoje estive a contar esta história, e juro que à medida que ia relatando mais e mais pormenores, mais me parecia que tudo tinha, efetivamente, sido um sonho. Mas não foi.

Ontem, tal como faço todas as quintas-feiras, saí a correr da minha aula de Formação Musical para conseguir chegar a tempo à paragem - a tempo de apanhar o autocarro, entenda-se.

Pois sim. Meia hora depois, e eu ali continuava, crente na minha fé de que tinha, sim, chegado a tempo e de que o autocarro estava apenas muito, muito atrasado. (já agora, explico: tratava-se do último autocarro do dia, logo, ou esperava ou... vinha a pé para casa, o que não é muito agradável independentemente da hora do dia ou da cor do céu)

Ali continuei, pois então, levantando-me sempre que vislumbrava o tejadilho de um veículo a passar na rua acima que se parecesse remotamente com o autocarro que eu há tanto tempo esperava que me fosse resgatar à paragem. Passou o autocarro do colégio-não-sei-quantos, o autocarro do colégio-não-sei-quantos-2, o autocarro do colégio-não-sei-quantos-3 (não sei se sabem, mas em Leiria e nas redondezas o que não faltam são colégios), o autocarro expresso com destino a Lisboa, o autocarro expresso com destino a Peniche, enfim. Todos, menos o meu.

Ora então, 45 minutos depois da hora suposta, avisto um autocarro diferente. Branco (foi o que consegui perceber na escuridão duma noite antecipada pelos dias pequenos desta estação) e grande. Com muitas janelas. Grandes. E, em letras garrafais cor-de-laranja, o destino por que eu tanto ansiava.

A minha cara de espanto deve ter sido tal que, não fosse o sr. motorista a fazer-me sinal para eu me aproximar e entrar, muito provavelmente ali teria continuado, estática, imóvel, sem saber o que pensar. Entrei, ouvi o "então, não me diga que cheguei adiantado!", e reparei como o tópico de conversa entre as duas únicas pessoas que, além do sr. motorista, no veículo se encontravam era, efetivamente, o carro novo. Porque este carro veio para ficar.

Nova paragem mais à frente, o espanto e a admiração nos clientes frequentes deste serviço. "Ó chofer, uaaaauuuu, carro novo!", ouço eu, enquanto esboço um sorriso de orelha a orelha com a chegada dos restantes comentários à medida que as pessoas iam entrando.

A conversa dos passageiros, que habitualmente consiste em relatos de telenovelas ou em cusquices tremendas que me recordam constantemente de que vivo numa pequena terriola onde toda a gente se conhece, teve um tema diferente, desta vez. "Ai que as janelas não abrem, vamos sufocar aqui dentro!" - "Não se preocupe que no inverno estamos quentinhos!".

Dizia eu que parecia um sonho. E parecia mesmo. Um autocarro grande, com "campainhas" (não sei o que lhes hei de chamar - aqueles botõezinhos onde carregamos para avisar o condutor de que queremos sair na próxima paragem) à distância de um braço de qualquer lugar sentado. Nada de trambolhões quando nos levantamos para ir tocar numa das míseras três campainhas que o outro carro tinha - reza a lenda que, depois de ter avariado tanta vez, a rodoviária lá se convenceu a arranjar um carro diferente.

A meio do caminho, olho pela janela: um gato branco, ao lado de um... gato preto. Tirem daí as vossas conclusões. Eu, por mim, digo que há dias diferentes, e que há noites que parecem sonhos.

...

Adoro andar de autocarro. Já vos disse que adoro andar de autocarro?

A corrida colorida veio a Leiria no passado fim de semana

0 Maçãs
esta foto tirei-a eu, algumas horas antes do evento começar :)
 e eu estive lá, como voluntária!

Quem me conhece sabe que não sou muito dada a este tipo de atividades, em que as pessoas ficam todas pintadas, e sujas, e sei-lá-mais-o-quê. Mas resolvi experimentar, e tive a sorte de conseguir um lugarzinho no voluntariado, o que muito agradeço à organização.

A minha tarefa foi, muito simplesmente, andar a atirar com pó colorido às pessoas na partida. Pronto, só isto, nada de muito complicado, mas que me deu muito prazer fazer. Foi uma tarde bem passada, e fico contente por ter aproveitado esta oportunidade. Depois ainda deu para fazer o percurso todo com a minha equipa do voluntariado (Partida/Chegada for the win!), para nos pintarmos todos também, e foi uma festa.

A minha equipa! © Marginal Voluntariado
Só foi chato ter de lavar a casa de banho toda depois do banho, e de ter de lavar a roupa, e de ter descoberto que faço alergia ao dito cujo pó (desta parte não estava à espera, só me apercebi no dia seguinte quando olhei para as minhas mãos).

Tirando isso... :)

E, há precisamente 8 anos atrás,

17/10/2014 1 Maçã

surgia este pequeno espaço de desabafos, de poemas, de pequenas e não-tão-pequenas histórias (algumas chegaram a ocupar mais do que um post!), de relatos de factos mundanos que se atravessaram no meu caminho, de anedotas, de patetices e palermices típicas da idade, de coisas mais sérias, de coisas mais descontraídas.

Obrigada por seres o meu diário, obrigada por me dares a oportunidade de acompanhar o meu crescimento e a evolução da minha maturidade através dos escritos que aqui fui deixando ao longo dos anos. Obrigada por me teres permitido conhecer pessoas novas, pessoas cultas que me marcaram, de alguma forma, e me ajudaram a moldar a mentalidade da cabecinha que este pescoço sustenta.

Parabéns, Pomarão.

tu para te lembrares. ;)

Uhhhuuuu, as Ninfas vão a Setúbal!

04/10/2014 0 Maçãs
Mais informações aqui e aqui!

Se estiverem por Setúbal ou pelas redondezas, apareçam! Vale mesmo a pena!

(um encontro que conta com a participação do Coral Luísa Todi, o anfitrião, e os convidados Orfeão de Portalegre e... as Ninfas do Lis!)

Não é preciso ter televisão para saber o que acontece nas telenovelas portuguesas

03/10/2014 2 Maçãs
Aqui vos deixo um gato de língua de fora para apreciarem devidamente a conversa que se segue.

basta ser utilizador assíduo dos autocarros públicos aqui da cidade!
- E quando a outra matou o Romão?
- Ai, eu já sabia! Estava-se mesmo a ver!
(...)
- E aquela vaca fugiu da prisão!
- Pois, também, só podia!
E... mais não decorei. Sorry.