Geração + Leiria 2013

17/07/2013 0 Maçãs

E pronto, é isso. Terminaram ontem os meus 15 dias de voluntariado na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, durante os quais tive a oportunidade de conviver com pessoas de várias formas e feitios, desde o staff da biblioteca às pessoas que por ali surgiram. Bebés, crianças, jovens, adultos, idosos... não haja dúvida de que a Biblioteca Municipal é um sítio de aprendizagem e convívio que, como estava a dizer, tive o prazer de aproveitar durante esta primeira quinzena de julho. Mas então, como é que isto tudo começou? 


Bom, para ser sincera, há já uns meses a esta parte que comecei a pensar em arranjar qualquer coisa para me entreter neste verão. Há anos que fico em casa sem fazer nada, ou que vou para a praia só para arranjar escaldões, ou que vou às compras só para alimentar o meu bichinho consumista. Vai daí, e já que tenho a sorte de fazer anos no melhor mês de todos (ehehehe, JUNHO!), os 16 vieram mesmo a calhar para eu me puder candidatar a um projeto diferente e original que se passa cá em Leiria.

A verdade é que, tendo em conta que estamos em crise, que eu ainda só ia fazer 16 anos e que não queria ocupar o verão todo numa só atividade, parti logo do princípio de que arranjar um emprego a sério, com direito a pagamento no final do mês (por assim dizer), seria uma tarefa muito difícil e pouco realista. Então comecei a pensar no voluntariado. Porque não? Nem que fosse um mês, ou até menos do que isso, voluntariado é sempre voluntariado, e, pelo menos em teoria, é uma ajuda extra para quem precisar. 

Nem a calhar, vim a descobrir que a própria cidade de Leiria tem, efetivamente, um programa de voluntariado voltado, especialmente para os jovens como eu (eia, acabei de me chamar a mim própria "jovem" - estamos a fazer progressos), com idade igual ou superior a 16 anos que queiram ocupar o seu verão a fazer alguma coisa de útil (novamente, pelo menos em teoria).


O dito cujo projeto chama-se Programa Geração Mais Leiria, e as informações necessárias podem ser consultadas no site da Câmara Municipal de Leiria. O programa realiza-se nos meses de julho, agosto e setembro, encontrando-se divido em 6 turnos de 15 dias cada, sendo que cada pessoa se pode inscrever apenas num ou em vários turnos diferentes, no mesmo local ou, mais uma vez, em diferentes locais, consoante a sua preferência. É quase à vontade do freguês, pois até se pode pedir para ficar com uma determinada pessoa (como eu fiz, pois pedi para ficar com a PD) e as nossas preferências tentam ser seguidas sempre que for possível.

Ora então, eu e a PD inscrevemo-nos no turno 1, de 1 a 16 de julho, para ficarmos na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, tal como já referi. Havia tantos candidatos que acabámos por ficar quatro voluntários a trabalhar neste turno na BMALV (pronto, já estou farta de siglas, vou escrever o nome verdadeiro e eles que se desenrasquem) - eu, a Patrícia, o Hugo e a Sofia. Os dois últimos eram irmãos gémeos e já tinham estado na biblioteca o ano passado, enquanto que para mim e para a Patrícia era o primeiro ano. Por sermos tantos e por até estarmos em "parzinhos", foram-nos atribuídas, muitas vezes, tarefas completamente diferentes, daí que não tenhamos interagido muito uns com os outros. Paciência, fica para a próxima.

Conhecemos, no entanto, várias pessoas do staff da biblioteca, o que não deixou de ser giro para mim... ahahahaha, é que eu lembro-me de ir à BMALV quando era pequenina, e agora estive a trabalhar ao pé de pessoas das quais me lembro vagamente desses tempos - digam lá que não é um bocadinho irónico, hem? Como algumas das pessoas estavam de férias durante o nosso período lá, acho que acabámos por não conhecer toda a gente, mas se eu já achava que eram tantas Carlas e tantos nomes para decorar, quanto mais se estivessem lá todos!

Devo dizer que fomos muito bem tratadas e que nos foi sempre dada a devida atenção, já que nós pareciamos umas sanguessugas a rastejar por ali fora à procura de sangue - traduzindo, estávamos sempre a perguntar o quê é que havia para fazer, tal era a rapidez com que concluímos as nossas tarefas ou, ehehehe, nos fartávamos delas. Vá, vá, não nos julguem, porque estar em pé a percorrer aquelas prateleiras todas para ordenar os livros alfabeticamente e por cotas, pffffff, não é para todos! Acho que nunca mais vou olhar para a arrumação de uma biblioteca da mesma forma... Ah, e acho que também é seguro dizer que nunca treinei tanto a ordem alfabética. Estou safa se isto aparecer no exame de Português do 12º ano. 


Além de nos passearmos pela biblioteca, também demos umas voltinhas pelo Centro Histórico de Leiria (vejam lá que até participámos num Peddy Paper e tudo!), passando por entregar recados no Banco de Portugal, no Teatro Miguel Franco, no Espaço + Jovem, na livraria Arquivo, no quiosque ao pé da Câmara Municipal e até na própria Câmara Municipal. Quando formos grandes vamos poder dizer que até cortámos flyers lá num gabinete da Câmara, com direito a plaquinha por baixo das folhas e a x-atos coloridos. Enfim, estamos a virar gente importante, Patrícia! 

Vá, agora a sério, por acaso até passámos bons momentos lá na Câmara Municipal, com o próprio vereador (o Dr. Gonçalo Lopes) a perguntar-nos se já estávamos fartas, ou com o senhor segurança a mandar piadinhas secas quando lhe perguntámos onde eram as "Obras Sociais"... pffff, até aprendemos onde era o expediente, onde estavam os jornais, e um monte de outras coisas, já que ficámos encarregues dessas tarefas durante uma quinzena.

Eu sei que parece pouco tempo para quem trabalha durante um ano inteiro, mas para nós, que passámos o nosso ano enfiadas numa escola a "marrar" nos livros, quinze dias a arrumar livros, a fazer festinhas ao Romeu (sim, há um gato na Biblioteca Municipal, ehehehe, e nós sabemos onde ele está escondido!), a ouvir a Hora do Conto, a assistir à Bebeteca e a arrumar os brinquedos todos, a tomar conta da Sala Infanto-Juvenil das 12:30 às 13:00, a fazer uma lista dos DVDs e das cassetes estragados, a confirmar que há livros requisitados há mais de três anos que nunca mais foram devolvidos, a arrumar as prateleiras do 82.1 (poesia) ou do 82.2 (teatro) ou do 82.3 (prosa) ou da filosofia ou da arte ou da religião ou da ciência ou da medicina ou seja lá do que for, a dobrar as cartas para serem enviadas a avisar as pessoas de que têm livros em atraso, a preparar Cuquedos para a Bebeteca (agora até lá estão alguns expostos!), a acompanhar as visitas guiadas dos mais pequenos, a visitar a Sala Afonso Lopes Vieira, a ir buscar livros ao depósito, a levar o correio para o expediente ou a acompanhar os idosos até ao elevador, esta foi uma experiência que parecia nunca mais acabar e que, ao mesmo tempo, parecia que já há muito havia começado. Honestamente, eu já me sentia quase em "casa", por assim dizer, tal foi a rapidez com que me habituei ao ambiente, às pessoas e a ir almoçar todos os dias à Mariazinha. 

Foi, sem dúvida, uma experiência diferente e bastante interessante. Muito sinceramente, não me importava nada de repetir, quem sabe para o ano, pois fiquei bastante agradada com aquilo que pude vivenciar durante estes quinze dias. Muito obrigada à organização do projeto Geração Mais Leiria, à Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, à Dr. Ângela, à Manuela, à Tânia, à Carla Freitas, às restantes Carlas das quais não decorei o apelido, à Bernardete, à Catarina (ahahaha, nada como dar a papinha ao Romeu para ver um gato feliz!), ao Dr. Gonçalo, ao Dr. Pedro, ao pessoal da Câmara, à D. Mariazinha... enfim, a todos aqueles que contactaram connosco durante este pequenino período de tempo. Estou a esquecer-me de imensa gente e dos seus nomes, como é óbvio, mas estou a lembrar-me das caras dessas pessoas e acho que isso também conta, não? 

15 dias. 16 anos. 2 voluntárias. 1 Patrícia e 1 Madalena. Obrigada e até para o ano!

0 Maçãs:

Enviar um comentário

Olá! Obrigada pelo teu comentário no Pomarão. :)