Um contrabaixo a contrabalançar

09/05/2011 1 Maçã
Olá a todos! Tenho ando muito ocupada com a escola e com trabalhos disto e daquilo, mas cá me vou desenrascando como posso, não é verdade?

Esta semana já vou ter o Teste Intermédio de Matemática, na quarta-feira, e também teste de Português sobre poesia, por isso ando um bocadinho aflita com tantos papéis, apontamentos e correcções de fichas, embora não seja por isso que não tenha uns bocadinhos de diversão.

E é um desses momentos que vos quero relatar agora, de preferência, da melhor forma possível. Então aqui vai:

Na sexta-feira, fui com a minha orquestra tocar no Concerto de Laureados do Orfeão. Se não me engano, somos para aí uns dezassete, entre violinistas, violetistas, violoncelistas e contrabaixistas. Tivemos um ensaio geral, algumas horas antes, e tudo correu bem. Foi também nessa altura que ficámos a saber que seríamos os últimos a actuar, o que, tendo em conta que o concerto deveria começar às nove da noite, não seria muito agradável. Eu já me estava a imaginar a bocejar no meio do concerto e a fazer má figura, mas no final de contas não foi assim tão mau.

Bom, estava eu então a contar que teríamos de ficar a assistir ao concerto todo, até que chegasse a nossa vez de actuar. E setôr, onde é que pomos os instrumentos, e como é que vai ser para os irmos buscar, de tal maneira que arranjámos uma sala para guardarmos tudo e onde nos combinámos encontrar todos (incluindo o maestro) quando faltassem duas actuações para a nossa.

E assim foi. Quero dizer, foi uma bagunça, e o que setôr que nunca mais vem, e será que ele se esqueceu de nós, e a minha corda ré está toda desafinada, e blá, blá, blá. Até decidimos fazer ioga, imaginem lá o caos que ia nas nossas cabecinhas! Eh pá, nós até tinhamos desculpa. Afinal, eram onze e um quarto da noite e, pensando bem, para quem estava acordado desde as sete e meia da manhã, eram muitas horas em pé sem dormir. Enfim.

Finalmente, lá chegou o maestro. Afinar os instrumentos todos, que já estava na nossa hora, todos a prepararem a fila para sair da sala, entrar no auditório e ir para o palco. E foi nessa altura que os contrabaixistas deram conta.

Mas, afinal, de que é que eles se deram conta? Bom, descobriram, ao levantarem um dos contrabaixos, que o mesmo tinha comido as pautas. E olhem que eu não estou a brincar.

Eu explico: os meus colegas contrabaixistas têm por hábito colocar as pautas presas nalgum sítio do contrabaixo, e calhou, nesse dia, ser num dos Fs (ou ouvidos, como preferirem). Infelizmente, deu-se o caso  de, com tanto levantar e deitar o instrumento, as pautas entrarem lá para dentro. Assim mesmo, sem avisar, precisamente quando nos estávamos a preparar para actuar. Mas supostamente não haveria grande problema, certo? Se há dois contrabaixistas, há duas pautas, não é?

Pois... Não. Só havia mesmo aquelas. E entre tanto Ó Meu Deus que agora não temos pautas e como é que há de ser que já não podemos tocar, lá fomos todos tentar abrir o estômago ao contrabaixo. É que, não sei se sabem, mas o contrabaixo, tal como o violino, a viola e o violoncelo, não se abre. Pois, já vem assim todo montadinho, e os únicos "buracos" são mesmo os tais ouvidos, daí que a única maneira de tirar as pautas fosse por esses Fs, assim todos bonitinhos e redondinhos como manda a lei da construção de contrabaixos, certamente.

Eu acho que ainda não estão a perceber a cena. Um contrabaixo, com cerca de 1,80 metros de altura, com uma folhinha A4 lá enfiada dentro, a ser agitado dentro de uma sala de aula. Pessoalmente, acho que não me ria assim há muito, muito tempo, mas tenho de admitir que estávamos todos com o coração apertadinho, a pensar no que iria acontecer se não conseguíssemos tirar as pautas a tempo, o que, felizmente, conseguimos.

Mas... só depois de muitos gritinhos, e oh setôr cuidado que vai bater no tecto, e oh setôr que vai cair, e, bom, acho que já dá para adivinhar. A sério, eu cá nunca tinha visto um contrabaixo em tanta posição diferente.

1 Maçã

  1. Relato bem divertido!!
    O meu filho e o pai foram hoje comprar um violino. Sim, mais um para o clube dos violinistas aprendizes.

    Bicadinhas.
    Bom fim de semana!

    Ditosa

    ResponderEliminar

Olá! Obrigada pelo teu comentário no Pomarão. :)